Tratamentos Para A Impotência Sexual E Causas

Tratamentos Para A Impotência Sexual E Causas

A sexualidade é uma importante função para a vida da maioria das pessoas adultas, por isso, problemas que impedem o pleno funcionamento da atividade sexual podem gerar transtornos à vida do indivíduo. Existem cinco possibilidades de causas da impotência sexual, ela pode ser orgânica, emocional, hábitos ruins, uso excessivo de alguns medicamentos e ainda ao excesso de peso.

Entenda melhor como a impotência sexual pode ocorrer:

Causas da impotência sexual ligadas ao emocional
As causas da impotência sexual ligadas ao emocional podem ser variadas, desde a ansiedade e o medo, relacionados ao ato sexual em si e ao medo de decepcionar a parceira, até mesmo problemas externos que podem afetar a vida do homem, como problemas financeiros, estresse, etc.

Leia também: Big Size comprar

A maioria dos casos de impotência sexual estão relacionados a causas emocionais, o que não significa necessariamente, que será mais fácil solucionar o problema, pois é preciso antes de mais nada encontrar a causa exata.

Causas orgânicas
As causas da impotência sexual de origem orgânica também podem ser variadas, entre elas a vascular de origem arterial, a hormonal e as alterações anatômicas do pênis. A mais comum é a hormonal, que em geral está relacionada ao envelhecimento ou a outros problemas relacionados a baixas na testosterona.

Já no que se refere a problemas vasculares, o que pode ocorrer é uma ereção que não consegue se manter por muito tempo, devido à pouca capacidade em enviar sangue para as regiões necessárias.

Causas relacionadas a hábitos de vida ruins
Alguns hábitos como o uso excessivo de álcool, de drogas e o tabagismo podem ser causas da impotência sexual. Entretanto, diferente das duas primeiras, nesse caso o problema de impotência pode ser pontual, não se estendendo a todas as relações sexuais, nem a um período longo na vida do indivíduo.

Causas relacionadas ao uso de alguns medicamentos
Alguns remédios podem causar efeitos colaterais que podem ser uma das causas da impotência sexual. Medicamentos como antidepressivos, antipsicóticos e ainda anti-hipertensivos em doses elevadas podem causar problemas no desempenho sexual. Assim como no caso de hábitos ruins, eles podem se normalizar com a suspensão do medicamento, porém, todo o processo deve ser acompanhado pelo médico.

Causas relacionadas ao excesso de peso
O funcionamento pleno das funções sexuais podem sofrer alterações relacionadas ao excesso de gordura corporal. Por isso, pessoas obesas ou com excesso de peso, podem sofrer de impotência sexual ou mesmo apresentar um baixo desempenho sexual por causa da condição do corpo.

A busca por um médico deve ser o primeiro passo para descobrir qual das causas da impotência sexual é a que está afetando seu desempenho. A partir disto é possível buscar o melhor tratamento.

Em alguns casos, como as causas emocionais principalmente, existem terapias alternativas, que não envolvem remédios e que possuem um efeito mais rápido e duradouro.

Uma dessas terapias é a hipnose clínica. Nela é possível encontrar qual foi o gatilho que desencadeou o problema emocional relacionado ao desempenho sexual, e assim, tratá-lo de maneira eficiente eliminando-o da sua vida.

Sofre com a impotência sexual? Então entre em contato conosco e saiba como a hipnose clínica pode te ajudar no tratamento e eliminar as raízes do problema.

*Antes de procurar qualquer terapia alternativa, como é considerada a hipnose clínica, consulte sempre seu médico de confiança.

Professor Alessandro Baitello/ Hipnólogo Clínico

Registro na ANT/Associação Nacional dos Terapeutas:

CNT 41.100/SP

– Mais de 15 anos de experiência em atendimentos.
– Fundador da Rede Clínica da Hipnose.
– Fundador Instituto Clínica da Hipnose.
– Criador da técnica (Baitello de Hipnose Clínica).
– Autor do Tratado Baitello de Hipnose Clínica.
– Experiência com mais de 8.000 pessoas com resultados em 93% de solução de casos.

Além de comandar uma grande equipe de Hipnólogos na Rede Clínica da Hipnose, viaja o mundo realizando cursos e palestras falando sobre os benefícios de hipnose clínica.

Dietas emagrecedoras

Dietas emagrecedoras

Receitas emagrecedoras é para quem quer perder barriga é importante pensar em dietas especificas. Outra questão para quem tem isso como objetivo é o tempo, pois nem sempre perder a barriga é objetivo que se alcança rápido.

A saída para quem quer emagrecer rápido e perder a barriga é ir direto ao problema de maneira localizada.

Evite dietas generalizadas que não irão se centrar na região do corpo que você deseja. É importante lembrar que para uma maior eficácia a dieta deve ser especialmente pensada para você e seu objetivo de solucionar problemas de gordura acumulada na região do abdômen.

Mas não precisa se desesperar! Nesse artigo separamos 2 opções de dietas para emagrecer rápido e perder barriga

Leia também: Kifina funciona

Alimentos permitidos.
Para começar uma dieta com o objetivo de perder a barriga rápido o mais básico e saber qual são os alimentos permitidos. Esses alimentos são aqueles que você poderá ingerir sem peso na consciência e sem medo de acabar ganhando mais peso e acumulando gordura no abdômen. São eles:

Verduras: Acelga, espinafre, alface.
Frutas: maça, laranja e banana.
Legumes: feijão e lentilhas.
Ovos.
Sementes.
Produtos lácteos desnatados são permitidos, mas em quantidades reduzidas.
Alimentos Proibidos na Dieta na Dieta.
Alguns alimentos são os maiores vilões quando você esta praticando dietas para emagrecer rápido e perder barriga. Esses são os alimentos que você deve passar longe:

Carnes com alto teor de gorduras
Alimentos industrializados (pré-cozidos, enlatados, etc)
Doces
Chocolates
Molhos prontos e produtos ricos em gorduras.

[Veja nossas receitas emagrecedoras Aqui]
Dieta emagrecedoras: Para diminuir gordura na região abdominal.
Café da manhã:
Uma fatia de pão integral.
Um ovo cozido.
Uma banana.
Um copo de leite desnatado (você pode fazer uma vitamina de banana, caso prefira).
Obs: no meio da manhã você pode comer uma maçã.

Leia também: comprar Phytophen 

Almoço:
Salada verde feita com ingredientes naturais e verduras ricas em água (como chuchu ou abobrinha, por exemplo).
Um pedaço pequeno de carne (prefira as brancas) e uma fruta como sobremesa.
Obs: no meio da tarde você poderá comer 5 morangos.

Leia também: Kifina Anvisa

Jantar:
Sopa feita sem gordura e um file de frango sem pele.

Vale lembrar que as duas dietas para perder barriga devem ser realizadas em no máximo uma semana. Quando a fome bater forte você poderá ingerir uma fruta.

Já está quase chegando o verão e muita gente está correndo contra o tempo pra perder a barriga indesejada, uma boa além de fazer dietas é procurar um grupo de corrida para potencializar esse feito.

Colágeno: o que é, para que serve, como age e suplementos

Colágeno: o que é, para que serve, como age e suplementos

Rejuvenescimento, renovação de cartilagem, ficar sem rugas, manter a pele lisa e hidratada — estas são só algumas das palavras que aparecem quando pesquisamos sobre os benefícios do colágeno.

Por isso muita gente aposta em consumir suplementos, cremes e tratamentos estéticos com a proteína, na esperança de que o corpo a absorva e, consequentemente, ajude a evitar o envelhecimento da pele, principalmente. Mas será que realmente são eficazes para esses fins?

Entenda o que é, para que serve e como funciona essa proteína no nosso organismo.

Colágeno
Para que ele serve
O colágeno é um tipo de proteína que produzimos, responsável por estruturar os tecidos conjuntivos de animais e está na pele, tendões, ligamentos, artérias e ossos. É formado por uma sequência de aminoácidos — estruturas menores para que o organismo consiga absorver os nutrientes. “O colágeno constitui de 20% a 30% das proteínas no corpo. Porém, com o avançar da idade, a sua produção vai diminuindo. Esse desgaste é potencializado pelo estilo de vida: excesso de sol, poluição, tabagismo, álcool, vida estressante são alguns dos comportamentos que ajudam a diminuir a produção desta proteína”, explica a dermatologista Renata Marques, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Como aumentar a produção de colágeno
A alimentação adequada é o principal meio para construir as proteínas. Porém, não quer dizer que consumir colágeno irá produzir mais colágeno. “A cadeia de colágeno é construída por meio de uma reação química que precisa de vitamina C para ajudar no aumento de oxigênio que acontece dentro das células. Por isso que adicionamos limão no peixe, por exemplo, pois é uma excelente forma de oferecer todos os substratos que o corpo precisa para formar mais colágeno”, continua a especialista.

Na pele
Há muitos cremes à base de colágeno nas prateleiras das farmácias e lojas especializadas, mas infelizmente esse tipo de produto não ajuda muito. “O que regula a produção do colágeno é uma série de fatores endógenos, como a secreção de hormônios (gh, testosterona, estrogênio), entre outros fatores fisiológicos.

Leia também: Colágeno tipo 3 e 1

Priscila Riciardi, nutricionista funcional, explica que há dois tipos de colágeno. Um possui a função de manter a firmeza e elasticidade da pele (peptídeos de colágeno), enquanto que o outro atua nas articulações e no intestino. Se você busca obter colágeno por meio da alimentação, fique atento à escolha dos alimentos. “A gelatina não funciona, ainda mais se for com sabor e açúcar. Açúcar e corante são muito inflamatórios e destroem o colágeno”, alerta Riciardi. E sugere uma solução para os vegetarianos. “Uma boa alternativa para consumir o colágeno é usar o pólen de coco. O feijão com limão também ajuda, já que é fonte de silício e vitamina C”, ensina.

O colágeno hidrolisado
Se você já leu o rótulo de um suplemento de colágeno, provavelmente se deparou com o termo “colágeno hidrolisado”. Isso quer dizer que ele passou pelo processo de hidrólise, que quebra a proteína antes para ajudar na absorção mais rápida pelo organismo. Porém, como dito acima, estimular a produção de colágeno não é uma garantia de sucesso.

Leia também: Skin renov

Quando se trata de alimentos e suplementos, supor que algo que você come se transforma na mesma coisa em seu corpo é um erro. Os processos químicos e biológicos que acontecem no organismo transformam tudo. No caso do colágeno, ele se transforma em aminoácidos.

Alternativas para melhorar o colágeno no organismo são outras: a suplementação de vitamina C, licopeno e minerais, que ajudam na otimização da resposta da pele às técnicas de estímulo de produção da substância.

O que a ciência diz sobre o colágeno
Uma pesquisa ligou alguns peptídeos de colágeno à redução das rugas da pele e à pele mais saudável. Então é possível que alguma nova descoberta possa explicar essas evidências no futuro. Mas ainda há muito mais perguntas do que respostas. Embora o colágeno seja estruturalmente importante, é uma molécula de proteína muito grande para passar pela barreira da pele. Segundo Jonathan Hadgraft, professor de Farmácia da Universidade de Londres, há uma crença popular de que a pele absorve 60% dos cremes, mas a verdade é que a maior parte do creme fica na superfície. Se penetrasse na pele e chegasse à corrente sanguínea, o colágeno seria classificado como remédio.

Porém, um estudo de 2017, publicado no Journal of Agriculture and Food Chemistry, mostrou que o colágeno hidrolisado pode ser transferido diretamente para a pele por meio da corrente sanguínea. Porém, todos os estudos que tiveram resultados positivos quanto ao uso dos suplementos foram feitos com poucas pessoas e são pesquisas de curto prazo, por isso são vistos com cautela por especialistas.

Colágeno para atletas
Uma metanálise de 2018 analisou o efeito do colágeno hidrolisado para ajudar a tratar a dor articular em atletas e naqueles que sofrem de osteoartrite. Publicada no British Journal of Sports Medicine, a pesquisa examinou vários suplementos usados ​​para osteoartrite e identificou o colágeno como um dos que “demonstrou efeitos clinicamente importantes para a redução da dor a médio prazo”. No entanto, a longo prazo, os suplementos parecem não ajudar mais do que um placebo.

Leia também: Colágeno tipo 3 e 1

Estimular a produção de colágeno por meio de hábitos saudáveis e alimentação parece ser mais efetivo

Suplementos e alimentos
“A alimentação adequada já fornece a quantidade certa de aminoácidos para formação do colágeno. A suplementação só é necessária nos casos de alimentação inadequada. Mesmo assim, não existem estudos sobre o colágeno até o momento que mostrem que ele possa evitar flacidez ou rugas”, afirma a dermatologista. Por isso, para ela, é melhor investir nos alimentos ricos em vitaminas A, B, C, E, K — que vão estimular a produção de colágeno e colaborar para uma pele mais bonita.

Brócolis, batata-doce, laranja, avocado, espinafre, pimentas, azeite de oliva, leite e derivados, beterraba, pepino e feijões são alguns dos alimentos que oferecem aminoácidos e ácido ascórbico, necessários para a fabricação de colágeno pelo corpo.

Estilo de vida
Mas, vale o aviso: se você for dar uma chance ao colágeno, não vale apostar apenas nele. Escolhas de estilo de vida também danificam a produção da proteína e podem potencializar os danos do envelhecimento: tabagismo, açúcar elevado no sangue, exposição exagerada ao sol, sedentarismo e ganho de peso são alguns dos hábitos que prejudicam a produção de colágeno.

Além disso, “para dores articulares é extremamente importante trabalhar com uma dieta anti-inflamatória e com um especialista que trabalhe a questão da absorção de nutrientes, da permeabilidade do intestino”, avisa Riciardi. Por isso, antes de suplementar, procure um especialista.

Remédios para sono: quais são eles, mitos e verdades Rafa Cortes

Remédios para sono: quais são eles, mitos e verdades Rafa Cortes

Hoje em dia, remédios para o sono são muito procurados e, provavelmente, você conhece alguém que usa de maneira contínua e garante que sem ele não há garantia de um sono bom. A função mais óbvia desses medicamentos é proporcionar um efeito calmante, ou seja, relaxar a sua mente e/ou o seu corpo.

Você pode facilmente conseguir uma receita desse medicamento com o seu médico, principalmente se alegar problemas para adormecer, por exemplo. O uso moderado e com o conhecimento do profissional de saúde, por outro lado, são, muitas vezes, dispensados pelas pessoas.

Saiba mais sobre os remédios para dormir:

Benefícios;
Riscos do uso em excesso ou combinado;
Cuidados.
Navegue Pelo Conteúdo

1 Vantagens dos remédios para sono
2 Riscos dos remédios para sono
3 Efeitos colaterais dos remédios para sono
4 Mitos e verdades sobre os remédios para sono!
VANTAGENS DOS REMÉDIO PARA INSÔNIA

Quando você chega em casa, após um longo dia de trabalho, cheio de tarefas e estresse com colegas e chefe, tudo o que quer é se jogar na cama e ter uma maravilhosa noite de sono.

Embora seja uma das sensações mais compensadoras do mundo, nem todas as pessoas conseguem pregar o olho e recarregar as energias para o dia seguinte. Muita gente sofre com algum distúrbio do sono,que causa dificuldades para adormecer ou que faz com que o sono fique fragmentado e não repare o dia atribulado.

É aqui que entra os remédios para o sono: os médicos prescrevem o uso de tais medicamentos para induzir o processo. Além disso, eles:

Contribuem para a manutenção das horas de sono;
Diminuem o estado de alertar;
Reduzem a ansiedade;
Estimulam a sensação de calma e tranquilidade.
Destaca-se, também, que o efeito dos remédios para sono, geralmente, é mais rápido e duradouro. Inúmeros remédios para dormir são conhecidos e recomendados pelos médicos, sendo os mais populares:

Alprazolam;
Dramin;
Diazepam;
Lorazepam;
Rivotril;
Sonata;
Zolpidem.
É fundamental frisar que, para adquirir um desses remédios para o sono, é obrigatória a apresentação da receita médica, pois eles são pertencentes às classes das tarjas vermelhas ou pretas.

RISCOS DOS REMÉDIOS PARA SONO
Pelo fato da exigência de receita médica, já é possível entender que esses medicamentos podem apresentar algumas complicações e alguns riscos. Em primeiro lugar, entenda que eles podem fazer com que o seu corpo desenvolva resistência, isto é, por um tempo você realmente notará resultados ótimos durante as dormidas, mas depois eles perdem o efeito e já não agem corretamente.

Mas, o que mais os remédios para o sono podem oferecer de perigo? Veja só:

PODEM VICIAR
Essa é uma discussão antiga e verdadeira. Habituar-se ao efeito dos remédios faz com que você não fique satisfeito(a) com o sono ao decidir dormir sem usar a medicação. Isso é denominado insônia rebote.

AUMENTAM O RISCO DE PARASOMNIA
Esse é um estado de semiconsciência, que causa sonambulismo.

PROVOCAM SONOLÊNCIA
Você pode continuar sentindo sono durante o dia, mesmo que o remédio tenha proporcionado uma noite completa de repouso. É uma sensação similar a uma “ressaca”, sendo que você ficará com falta de energia e com prejuízos em seu ambiente de trabalho, por exemplo.

EFEITOS COLATERAIS DOS REMÉDIOS PARA SONO

Os próprios remédios possuem reações adversas, que surgem logo nos primeiros dias de uso, como:

Sedação durante o dia;
Reflexos mais lentos;
Reação alérgica;
Atividade mental prejudicada;
Quedas e fraturas ósseas, especialmente em idosos.
Além disso, os riscos dos remédios para sono não param. Já pensou sobre como eles lidam com a combinação com outros remédios ou mesmo com álcool? Álcool e medicamentos para dormir é uma interação bastante perigosa e pode acabar sendo fatal. O uso combinado com outras medicações, principalmente sedativos, antidepressivos, antibióticos e analgésicos, pode agravar efeitos colaterais.

Por isso, é essencial que você se consulte com um médico capacitado, para avaliar os riscos e os benefícios do remédio para o seu caso.

MITOS E VERDADES SOBRE OS REMÉDIOS PARA SONO!
Muitas dúvidas surgem quando o assunto aborda as medicações para dormir. Mas, o que é verdade e o que é mentira nesse âmbito? A seguir, estão separadas as informações mais relevantes para que você compreenda os remédios para sono e a sua utilização:

REMÉDIO PARA DORMIR CAUSA RONCO
Verdade. Vários remédios sedativos fazem com que os músculos da garganta fiquem relaxados, o suficiente para causar o ronco ou mesmo para agravar a intensidade de quem já possui esse distúrbio do sono.

É POSSÍVEL TOMAR O REMÉDIO PARA SONO TODOS OS DIAS
Mito. A recomendação é que você evite o uso frequente, não esquecendo que esse tipo de medicamento gera dependência. Além do mais, quanto mais moderado o uso, mais minimizados serão os efeitos adversos.

POSSO TOMAR O REMÉDIO PARA SONO QUANDO ACHAR NECESSÁRIO
Verdade. Muitas pessoas têm o remédio para dormir guardado, para ser usado em casos de emergência, sabendo da importância de não o usar diariamente.

O REMÉDIO PARA SONO NÃO INTERFERE NAS ATIVIDADES DO MEU DIA A DIA
Mito. Vá com calma! Como comentado, os remédios para dormir podem provocar alguns efeitos colaterais, como é o caso do sono durante o dia. Procure evitar dirigir qualquer veículo ou operar máquinas pesadas após a ingestão de qualquer tipo de remédio para dormir.

POSSO ALTERAR A DOSE DA MEDICAÇÃO SEM FALAR COM O MÉDICO
Mito. Siga a dose estipulada pelo médico e informe a ele como o seu organismo está respondendo ao tratamento, prestando atenção aos efeitos adversos.

Caso você tenha receio em iniciar o uso de um remédio para o sono, aposte em terapias alternativas, a fim de melhorar a qualidade do seu repouso. Exercícios físicos, técnicas de relaxamento, psicoterapia e uso de ervas e suplementos são dicas excelentes!

Colágeno Hidrolisado e Natural, Conheça os Benefícios

Colágeno Hidrolisado e Natural, Conheça os Benefícios

O colágeno é encontrado em alimentos como caldo de osso, e dentre seus principais benefícios está a melhora na saúde e aparência da nossa pele, por exemplo. Tanto o colágeno hidrolisado como o colágeno natural (gelatina) provêm da cozedura de ossos, peles e cascos de animais. As fontes dietéticas de uma gelatina de qualidade fornecem uma gama de nutrientes, mas seu consumo quase desapareceu na dieta moderna, apesar das gerações passadas terem consumido amplamente caldos, sopas e molhos com gelatina. Tais fontes de colágeno não somente são saborosa, como garantem uma refeição com perfil nutricional adequado.

O que é o melhor Colágeno Hidrolisado?
O colágeno hidrolisado nada mais é do que um suplemento dietético. Ele é essencialmente gelatina, pois é capaz de proporcionar todos os benefícios que a gelatina oferece. Entretanto, ele é processado de uma forma que se dissolve em líquidos frios e quentes sem sofrer o processo de gelificação, sendo absorvido pelo organismo de forma mais rápida.

Colágeno Hidrolisado Vs. Colágeno Natural (Gelatina)
Tanto o colágeno hidrolisado como o colágeno natural (gelatina) são obtidos do mesmo ingrediente, o colágeno da carne bovina ou suína. Os dois produtos apresentam o mesmo perfil de aminoácidos. A diferença principal entre o colágeno hidrolisado e o colágeno natural é que o hidrolisado é mais facilmente absorvido e assimilado, já que ele não gelifica. Por outro lado, a gelatina pode ser usada em diversos pratos, como caldo de mocotó, gelatinas e pudins.

Colágeno Hidrolisado e Natural, Conheça os Benefícios
Ajuda a Equilibrar Hormônios: dos aminoácidos presentes no colágeno hidrolisado e na gelatina, 35% é glicina e 21% é prolina e hidroprolina. Tanto o colágeno hidrolisado como o natural são igualmente importantes, e os dois carecem do aminoácido triptofano. A alta porcentagem de glicina e prolina, assim como a falta de triptofano, ajudam no equilíbrio da ingestão de grandes quantidades de cisteína e triptofano presentes nas carnes musculares. Quando equilibrados, os aminoácidos desempenham um importante papel na taxa metabólica, função da tireoide e produção de hormônios.

Uma vez que a gelatina não contém triptofano e pequenas quantidades de metionina, cisteína e histidina, ela pode ser consumida principalmente como proteína dietética, restringindo o consumo de aminoácidos que estão associados a diversos problemas de envelhecimento. Uma colher de sopa de colágeno hidrolisado fornece 7 gramas de gelatina.

Por ajudar a manter o triptofano equilibrado, a gelatina reduz o estresse metabólico do cortisol e contribui para a saúde da tireoide. Como o metabolismo e a tireoide andam de mãos dadas, a gelatina é capaz de aumentar o metabolismo, melhorando assim a função da tireoide.

Consumir quantidades equilibradas de gelatina pode desempenhar ações anti-stress, já que a glicina é um neurotransmissor inibitório, capaz de promover o sono natural. Quanto consumida em forma de suplemento, a glicina ainda ajuda a promover a recuperação de convulsões e derrames, melhorando a memória e a aprendizagem. Além disso, aparentemente ela desempenha a mesma ação calmante e anti-stress em todos os tipos de células.

Melhora a digestão: o caldo de ossos é fonte de coloides hidrofílicos em forma de gelatina, e os alimentos crus tendem a ser hidrofílicos, misturando-se facilmente aos sucos digestivos e contribuindo para uma digestão mais eficiente. Entretanto, ao se cozinhar os alimentos, muitas vezes acaba-se criando coloides hidrofóbicos, capazes de repelir o suco digestivo no estomago. Pelo colágeno hidrolisado e o colágeno natural permanecerem hidrofílicos, mesmo quando aquecidos, acabam ajudando na digestão dos alimentos cozidos.

É essencial para o corpo: o colágeno beneficia toda a estrutura dos tecidos, desde unhas, cabelo, pele, músculos, cartilagens e tendões a até mesmo as paredes dos vasos sanguíneos. A deficiência de colágeno, por sua vez, leva ao envelhecimento precoce, flacidez e problemas visuais, enfraquecimento muscular, problemas com os tendões, ossos e cartilagens, como a artrose, a artrite e a osteoporose. Em casos mais graves, pode ocorrer a flacidez dos vasos sanguíneos, aumentando assim os problemas circulatórios e cardíacos.

Contribui para a elasticidade, regeneração e hidratação da pele: o consumo de colágeno é importantíssimo para a pele, pois confere firmeza e resistência à mesma. O colágeno também ajuda a regenerar e hidratar a pele, ajudando na prevenção das rugas.

Fortalece as unhas e os cabelos: por serem formados principalmente por proteínas, os cabelos e unhas são bastante beneficiados pelo colágeno, pois esta proteína ajuda na manutenção da estrutura das unhas e fios de cabelo, conferindo resistência e brilho a eles.

Aumenta a resistência dos ligamentos, tendões e cartilagens: o colágeno é a principal proteína de tais estruturas, sendo essencial para o fortalecimento e manutenção delas. A suplementação com colágeno hidrolisado é recomendada especialmente para os atletas.

Contribui para o emagrecimento: o consumo de colágeno hidrolisado em pó 30 ou 60 minutos antes das principais refeições contribui para o aumento da saciedade, ajudando no controle do apetite. Outro benefício do colágeno é que ele favorece o aumento da massa muscular naqueles que praticam atividades físicas, além de combater a flacidez da pele.

Ajuda a tratar a artrose: os benefícios do colágeno hidrolisado para pessoas que sofrem de artrose são reconhecidos pela medicina. O colágeno ajuda a melhorar a cartilagem de tais indivíduos, principalmente no início da doença.

Fontes de Colágeno
Há diversos alimentos que são fonte de colágeno, e seus consumos contribuem para a síntese de colágeno por parte do nosso organismo. Fontes de colágeno incluem as carnes vermelhas, carnes de aves, a clara do ovo, os peixes e os laticínios. A soja, a ervilha, a quinoa e a combinação de arroz e feijão também são excelentes fontes de proteínas, que podem contribuir para a produção de colágeno. A gelatina, tão falada no artigo, quando consumida regularmente pode estimular a síntese do colágeno.

Leia também: Skin renov preço

O colágeno hidrolisado também é uma excelente fonte, já que é a versão mais bio disponível de colágeno. Os suplementos alimentares à base de colágeno, seja em forma de bala ou pó, também são uma boa opção para se consumir colágeno.

Consumo Diário de Colágeno
Para que todos os benefícios do colágeno natural sejam usufruídos, é recomendado o consumo diário de 10 gramas de colágeno hidrolisado, seja de colágeno em pó, seja em forma de cápsulas. O consumo regular de gelatina também é indicado para aqueles que querem usufruir dos benefícios do colágeno.